...
Aqui
a gente se encontra.

Fun Brasil Fun Brasil

NO AR AGORA PLAY PAUSE
A Fun Brasil chegou para revolucionar a maneira de se fazer e ouvir web rádio. Música, conteúdo, debate, notícias e muita diversão. Esta é a rádio Fun Brasil – Aqui a gente se encontra!
MUITA MÚSICA ​ DÊ O PLAY NA FUN BRASIL! com MUITA MÚSICA ​ Aqui a gente se encontra! ​
+INFOS
NAS MAIS TOCADAS...

 

LADY GAGA DESLUMBRANTE NA MARAVILHOSA OBRA DE BRADLEY COOPER.

 

Nasce uma estrela, filme dirigido por Bradley Cooper e estrelado pelo mesmo e pela cantora pop Lady Gaga não é só mais uma entre as muitas releituras desta obra cuja versão original ganhou as telas em 1937, sendo a mais famosa delas a versão de 1976 protagonizada por Barbra Streisand e Kris Kristtofferson.

Ao longo do texto você vai perceber o trabalho magnifico de Bradley Cooper ao pegar as melhores ideias das versões anteriores, atualizar para os tempos atuais alguns contextos e principalmente, rechear o filme com um brilhantismo artístico único e maravilhoso, dando ao Longa uma profundidade e um desenvolvimento dignos de quem tem uma ótica muito sensível aos valores que a arte e principalmente o cinema tem de melhor.

Na historia acompanhamos Jack Maine (Bradley Cooper) um talentoso, mas decadente astro da musica country americana, que conhece Ally (Lady Gaga) uma jovem de vida simples que sonha em se tornar uma cantora. O amor surge entre os dois, mas a relação se fragiliza conforme a carreira de Ally decola num contraponto a de Jack que definha.

 

Bradley Cooper e Lady Gaga em uma de suas otimas performances musicais

 

 

O roteiro de Nasce uma estrela (escrito pelo próprio Bradley Cooper em parceria com Will Fetters e Eric Roth) tem muito mais camadas que suas versões anteriores, suas preocupações vão muito além de mostrar a ascensão da protagonista, na verdade ele é muito bem sucedido em contar uma ótima historia de amor, drama, superação e outros elementos, fazendo ótimo uso da profundidade de seus personagens em meio aos seus dilemas e dramas pessoais. Outro ponto importante é o tempo que o enredo  dedica para apresentar o background dos personagens, isso dá uma densidade muito maior no desenvolvimento do relacionamento entre eles. Há um respeito e uma verdade muito grande quanto às convicções e ao comportamento dos personagens e a maneira como agem diante das situações mediante ao sentimento, caráter e envolvimento de cada um.

Não háuma complexidade excessiva no roteiro em si, o foco central do enredo claro está na relação dos protagonistas Ally e Jack, mas o pano de fundo é tão interessante quanto, já que o roteiro aliado à direção sensível e assertiva de Cooper consegue apresentar o tema e expor ao telespectador sua mensagem de maneira muito clara, discursa direta ou indiretamente através dos diálogos e elementos em cena.

O filme mostra como Jack conduz sua vida e sua carreira, a infância difícil sem um alicerce familiar adequado, a mágoa por assuntos mal resolvidos, o alcoolismo e a dependência química servindo de refugio para uma mente fragilizada e despreparada para suportar o peso e a solidão da fama, alojada em um corpo cada vez mais destruído pelos seus terríveis hábitos de vida.

Já o arco de Ally a outra protagonista questões como a necessidade de uma autoafirmação, confiança e autoestima são abordados, os desapontamentos, a persistência em buscar seus sonhos mesmo em face das condições menos favoráveis, também chama muito atenção à forma como o desapontamento dos pais que desejam realizar nos filhos os sonhos que eles não conseguiram realizar.

O roteiro trabalha estes temas de maneira fluida, sem agressividade e nem pressa para apresentar ou desenvolver cada tema, dando a elas o tempo necessário para que sejam estabelecidos dentro do arco dos personagens e assimilados pelo expectador, tudo isso em meio à magia e ao drama que permeia a relação entre os protagonistas, foco central da trama.

Por muitas vezes, vemos um diretor propagar temas e discursos em seus filmes quase que de forma involuntária, a mensagem é passada por meio do desenvolvimento de seus elementos cênicos e diálogos sem que seja o foco ou mesmo o pano de fundo, o que aqui não é caso, Cooper lapida as ideias das versões anteriores, dando uma atenção especial ao passado dos personagens construindo camadas de personalidade que serão muito relevantes à trama deixando o espectador totalmente envolvido com o arco e com o destino de seus personagens.

A narrativa fluida nos emociona por todo o primeiro ato, desde a apresentação dos personagens, a construção do relacionamento entre ambos acenando para um “felizes para sempre” que sabemos que não vai acontecer mais torcemos para estarmos errados!

A partir da metade do segundo ato, a narrativa se torna mais densa, o ritmo desacelera para enfatizar a carga dramática à medida que Ally ruma para o estrelato e Jack para uma provável e irreversível decadência.

A partir daí o roteiro segue de forma coerente administrando as consequências dos rumos escolhidos pelos personagens com veracidade e realismo. Realismo este que pode ser sentido também nos diálogos dos personagens cuja profundidade agrega ainda mais nossa imersão nesta linda historia.

Mas o ponto alto do filme com certeza é seus personagens. É certo dizer que seu desempenho é potencializado pelo excelente roteiro e pelos diálogos muito bem escritos, mas a qualidade, o carisma e a entrega dos atores em cena é algo inquestionável.

 

 

O melhor exemplo disto é a atuação de Bradley Cooper. Com uma atuação quase irretocável, Cooper consegue ao longo do filme transmitir emoções  de forma muito real e incrivelmente tocante.

Cooper demonstra um sofrimento genuíno quando fala de seu passado e dos assuntos mal resolvidos em família, seu rosto transmite todo o desgaste e cansaço de quem há anos busca refugio no álcool e nas drogas, impressiona a realidade que o ator imprime em sua atuação nestes momentos, realçado pela sua magnifica expressão corporal em cena. Através da dependência química e alcoólica do personagem, que Cooper expõe sua visão sobre o tema, o quanto ele pode ser perigoso e destrutivo tanto ao viciado quanto a todos ao seu redor, tratando a dependência como uma doença, sem nenhum tipo de marginalização.

Muita curiosidade existia sobre como Cooper se sairia como cantor no Longa, toda a nossa curiosidade é satisfeita já nos primeiros minutos do filme, e realmente o ator não decepciona, pelo contrário, tanto seu comportamento cênico como seu desempenho cantando, são sim dignos de elogios. Em resumo a atuação de Cooper como um todo é magnifica, e todas os prêmios e indicações que o ator vem recebendo são absolutamente justas.

Sam Elliot vive Bobby, o empresário de Jack Maine. Elliot é o contraponto a insanidade auto destrutiva de Jack. Elliot vive um personagem amargurado por uma frustação em seu passado, preocupado com a carreira e com a vida de Jack, Bobby é na maioria do tempo duro, fazendo  questão de aplicar choques de realidades constantes no protagonista, e mesmo em meio a aspereza do personagem é possível notar que exista um sentimento especial de Bobby por Jack, algo que vai além dos laços profissionais, assim como existem assuntos mal resolvidos referentes ao passado dos personagens. À medida que a historia avança e novos fatos são revelados sobre o passado e o relacionamento entre ambos, tudo passa a fazer mais sentido, e as cenas envolvendo ambos passam a ser emocionantes. Sam Elliot protagoniza ao lado de Lady Gaga, uma cena maravilhosa próxima ao final do filme marcada pelo diálogo poderoso, franco e com uma dose de compaixão comovente. Só por esta cena, a indicação de Sam Elliot ao Oscar de Melhor ator coadjuvante já estaria justificada.

 

Sam Elliot

 

Mas o maior destaque do filme é sem duvidas Lady Gaga. A talentosa cantora surpreendeu ao se revelar também uma atriz promissora. Carismática e muito expressiva a atriz demonstrou uma química incrível com todo o elenco e conseguiu expressar com clareza e de forma muito real os dramas e anseios de sua personagem, que jorra talento, os, mas que tem problemas de auto aceitação e afirmação, decorrentes principalmente de decepções de seu pai, um cantor frustrado que agora trabalha como motorista. Ao conhecer Jack, a vida de Ally radicalmente, a ascensão de sua carreira caminha ao lado da evolução do seu relacionamento com Jack. A atuação de Lady Gaga consegue passar com naturalidade toda a força e intensidade do amor entre Ally e Jack. À medida que a carreira de Ally decola agora orientada por Rez (Rafi Gravon) seu empresário e produtor, Jack se decepciona ao perceber que Ally agora direciona sua carreira por um caminho que na visão do musico está longe da verdade artística da cantora.

Ela passa todos estes momentos com uma atuação segura, e suas cenas com Bradley Cooper são realmente especiais, o entrosamento é muito grande e proporciona momentos lindos como na cena em que ambos se conhecem, que por sinal é um dos momentos mais belos do filme com a cantora brilhando na interpretação de “La Vie em Rose” um clássico da musica francesa, realçado pelo trabalho de iluminação e fotografia e um uso muito apropriado das cores para ressaltar os sentimentos expressos na performance.

 

Lady Gaga

 

Bradley Cooper e Lady Gaga funcionam muito bem juntos e conseguem transmitir uma emoção palpável em seus momentos e isso claro, também se repete nas canções, aliás, se Cooper manda bem como cantor, Gaga está deslumbrante, favorecida pela trilha sonora feita para a cantora brilhar !

Mas se a performance musical ajuda Gaga a entregar um trabalho fascinante, não podemos esquecer que a cantora surpreende por manter uma atuação muito realista e segura na maior parte do tempo, de forma que todo o conjunto desta obra rendeu uma merecida indicação ao Oscar de Melhor Atriz, além de outras premiações.

Tecnicamente o filme funciona bem, a ambientação reproduz de maneira interessante o mundo da musica, o glamour e adrenalina dos shows, as gravações, os bastidores, as conquistas e os prazeres e perigos que a fama carrega. A atmosfera do filme construída sob uma narrativa que como já dissemos nos conduz para um carrossel de inúmeras emoções e se torna totalmente imersiva conforme a trama avança, pois além da excelência dos diálogos e das atuações, temos uma combinação interessante entre iluminação e paleta de cores que torna as apresentações musicais, por exemplo, ainda mais inesquecíveis.

O trabalho de fotografia, com closes e enquadramentos mais fechados valorizando as expressões faciais dos atores para transmitir de maneira forte todas as emoções propostas em cena funciona muito bem.

E como se trata de um filme voltado para musica, é claro que a trilha sonora é um dos maiores destaques.

Inicialmente o papel de Ally caberia a popstar Beyonce, mas os conflitos de agenda impossibilitaram. O que poderia ser uma perca considerável acabou sendo um ganho incrível já que além do seu desempenho no filme, Lady Gaga participou da composição das musicas da trilha do filme que por sinal tem canções maravilhosas como “Black eyes”, “I’ll never Love again” e a concorrente ao Oscar de Melhor canção “Shallow” (composta por Lady Gaga e Bradley Cooper).

 

 

 

 

Sem duvida foi uma estreia e tanto para Bradley Cooper como diretor, mas apesar da indicação para vários outros prêmios, Cooper (injustamente) não foi indicado ao Oscar de Melhor diretor. Fato este, porém, que não desmerece seu trabalho que conseguiu pegar as melhores ideias das versões anteriores, deixa-las ainda melhores, com uma assinatura muito própria e com influencias muito claras. É muito claro a mensagem que Cooper quer deixar com esse filme e ele o faz, conduzindo as atuações do seu elenco e o desenvolvimento do seu roteiro com rara felicidade. Cooper entrega um filme que aborda vários assuntos importantes, tem um tema central muito forte, que tem mais haver com a decadência de uma estrela do que com o nascimento de outra.

 

RESUMO

 

Nasce uma estrela, é um filme lindo em quase todos os seus aspectos, é uma releitura de uma historia de amor, de entrega, de cumplicidade, é um drama, é um grito de alerta, é um discurso de coragem, de auto afirmação, é uma nova roupagem que te permite enxergar muitos temas importantes, mas que no final ficará gravado na minha memoria de maneira especial principalmente por me conduzir a uma das belas e emocionantes experiências cinematográficas da minha vida.

 

A critica sem spoilers de “Nasce uma estrela” faz parte de uma maratona que a Radio Fun Brasil irá fazer publicando criticas de todos os filmes indicados ao Oscar 2019.

E claro que a Fun estará na cobertura ao vivo e em tempo real da cerimonia de premiação, do domingo 24 de Fevereiro. Até lá semanalmente você pode conferir nosso ponto de vista sobre todas as obras indicadas. É a Fun Brasil no Oscar 2019.

#MaratonadoOscarnaFunBrasil

Leia também: Cinema nacional

Deixe seu comentário
 
GOSTOU? ENTÃO VAI CURTIR LER ESSA TAMBÉM:
qua, 20 de fevereiro de 2019 CLAQUETE Cobertura do Oscar 2019 na Fun Brasil